Engenheiro preso ganhou prêmio por estudo no Itabiruçu

Barragem do Itabiruçu

Um dos engenheiros que atestou a estabilidade da barragem da mina de Feijão em Brumadinho ganhou um prêmio em 2018 com um projeto de gestão de risco geotécnico de barragens de rejeito, usando para tal, uma das barragens de Itabira (MG).

Nossa reportagem verificou que nesta terça-feira (29) foram realizadas as prisões de cinco pessoas nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Os trabalhos foram realizados pelos Promotores do Núcleo da Capital do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP de São Paulo e pelo Departamento de Capturas (Decade) da Polícia Civil paulista.

Foram presos dois gerentes da Vale e três engenheiros, que assinaram declarações de estabilidade da Barragem de Feijão em Brumadinho que rompeu na sexta-feira (25). Várias pessoas morreram e um rastro de destruição pode ser visto por onde a lama passou.Um dos engenheiros que atestou a estabilidade da Barragem em Brumadinho ganhou um prêmio por segurança no ano passado. O prêmio foi por um projeto de gestão de risco geotécnico de barragens de rejeito.

Concedido por uma Associação de Mecânica dos Solos e Geotécnica o prêmio foi dado a uma equipe de seis engenheiros, da qual um dos presos fez parte na época e era pelo estudo da barragem do Itabiruçu, em Itabira, Minas Gerais.

Dados não oficiais sobre barragens em Itabira 

Observando os dados técnicos de algumas barragens localizadas no município de Itabira, começando pelas mais volumosas:

01 – A Barragem Itabiruçu teve seu início de operação em 1981 e tem o volume 223 milhões de metros cúbicos de rejeitos depositados;

02 – A Barragem do Pontal teve seu início de operação em 1972 e tem o volume 220 milhões de metros cúbicos de rejeitos depositados;

03 – A Barragem da Conceição teve seu início de operação em 1977 e tem o volume 36 milhões de metros cúbicos de rejeitos depositados;

04 – A Barragem Santana teve seu início de operação em 1978 e tem o volume 16 milhões de metros cúbicos. Esta fica às margens da rodovia MGC-120, ligação de Itabira com Santa Maria de Itabira;

05 – A Barragem do Rio de Peixe teve seu início de operação em 1977 e tem o volume 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos depositados;

06 – A Barragem Dona Rita, sem dados;

07 – A Barragem Cumbucal 1 e 2 (Bairro Hamilton) e outras, sem dados.

Matérias relacionadas 

Vereador convida gerentes da Vale em Itabira para esclarecer sobre barragens 

Civil prende engenheiros que prestaram serviço à Vale 

Corpo de itabirano é localizado após desastre ambiental

60 mortos e 292 desaparecidos em Brumadinho

Ronaldo vai cobrar da Vale diagnostico das Barragens em Itabira

Brumadinho: Sirenes são acionadas durante a madrugada 

Sindicato dos Vigilantes cobra da Vale e autoridades urgência em Brumadinho

Brumadinho ainda tem 299 pessoas desaparecidas 

Rompimento de barragem em Brumadinho aumenta alerta em Itabira

Nota do Metabase sobre rompimento de barragem em Brumadinho

Justiça bloqueia R$ 1 bilhão da Vale

Rompimento de barragem em Brumadinho